Páginas

domingo, 4 de dezembro de 2011

Caras e Bocas


É engraçado ver o modo como cada um age, com suas próprias diferenças, suas caras. A pessoa mostra aos outros apenas uma. Mal sabe ela as mil que tem. Não quero, nem estou, dando indiretas aqui, até porque todos nós somos assim e tenho consciência disso. Minhas amigas falam que eu sou toda meiguinha, que faz o melhor pra todos, sem maldade. Realmente, faço. Se alguém chega perto, sorriso. Se alguém chora, eu pergunto pra poder ajudar. PORÉM tem hora que eu penso se eu preciso mesmo fazer aquilo ou se é só ignorar.

Esses dias eu confirmei que uma menina me irrita profundamente, não pelo o que faz comigo, e sim pelos outros. Se eu falo mal dela? Dá até dó. Ah, quem não fala mal, né? Fico irritada, não quero papo com ela, não preciso dela. Mas se uma hora ela vier falar comigo, me dar um simples 'bom dia', me pedir algo emprestado.. eu respondo, dou bom dia e empresto. Dá pra entender? É errado fazer isso? Podem até me achar falsa por isso, mas eu faço isso como se eu não tivesse encasquetado com ela. Essa deve ser umas das minhas caras..

START

As vezes, no auge de sua tolerância, a vontade de sair matando todos os que te incomodam, todos os que não aparentam ser necessários em seu dia, é simplesmente muito clara. Mas para sua tristeza, a realidade não é prazerosa o suficiente em nos 'deixar' fazer essas coisas, cometer esses erros. Claro, não queremos passar por meros assassinos, queremos?
Solução: tente refletir e se acalmar. Caso não ajude, ligue a televisão e vá jogar videogame.

Minha instável empolgação

Ter que ouvir alguma música para escrever não é um problema, muito menos algo que incomoda. Pessoas te incomodam, música boa não. Ela tem que ser exclusiva e ouvida várias vezes, é claro. Escrever é algo que exige tempo, não três minutos. Não consigo, desculpa. Se você consegue, parabéns, você é altamente desenvolvido por isso, em? Até colocaria o nome da música aqui, mas realmente isso não é útil. Apenas leia. Jeito é jeito, esse é o meu. Jeito dá-se em tudo, não é mesmo? Veja bem, nós tentamos dar jeito em tudo, nem sempre dá certo. A falta de sorte é uma das coisas que mais atrapalha, mas quando a sorte aparece, corre corre e aproveita o momento, não é? As pessoas também atrapalham. Muitas ajudam e muitas atrapalham. No dia em que você acorda com o pé errado, alguém surge e coloca uma pedra no seu caminho, te faz tropeçar, acredite. Se você não cair, vai sentir pelo menos uma pisada no seu pé. São as mais competitivas. Entretanto, há aquelas que dão aquela varridinha no seu caminho, retribua. Quando é o pé certo, haja ser humano pra tanta bondade, em? Tem gente que consegue entrar no BBB e tem gente que não consegue. Sorte. Azar. Vem e vai. Realmente eu não sei ao certo o assunto desse texto, apenas soltei os dedos no teclado. Minha instável empolgação.

Opressores


Quando pensamos em reino lembramos de passado, história, onde existia o poder do opressor sobre os oprimidos. Comecei a pensar nessa palavra de outro ponto de vista, do meu ponto de vista. Por um momento, considere-se Rei, sendo sua cabeça tudo aquilo que você terá que controlar. Parece fácil. Talvez fosse até mais simples naquela época, onde as oposições não eram sua própria consciência, onde você não precisava ouvir todas as opiniões. Já agora, você tem que agir diante as suas pequenas e insuportáveis perguntas, as quais ficam martelando em sua cabeça, bem no centro do seu "reino". Afinal, seu principal objetivo é tomar decisões, sendo elas certas ou erradas.

Na maioria das vezes eu perco o controle e só penso no que os outros pensam, esqueço de mim, esqueço que eu sou a 'rainha' e que não devo ligar para o resto. Isso realmente não é legal. Parece um sistema de fuga, ou pode até ser mesmo. Mas fuga? Fuga de que? Fuga de ser quem eu sou? Por mais certa que seja minha decisão, acabou pensando nos outros, na opinião alheia, em tudo menos em mim. Os desvios, por bons ou ruins que sejam, começam a se tornar desesperadores a ponto de eu começar a misturar os sentimentos; conseguir ficar triste e feliz por um mesmo motivo. Estranho? É loucura sim, mas acontece. As paredes vão começando a se aproximar e tudo acaba se tornando maior, até que você se acostuma com isso. Acostumar não é uma boa solução, visto que não resolverá em nada, mas é um alívio pra sua cabeça, pra sua vida.

Nós achamos que temos controle sobre nossas vidas, parece óbvio, mas lembre-se que nós ACHAMOS.

December

Dia quatro do último mês do ano. Era um tal de chorar daqui, chorar de lá, por saudade das pessoas que eu conheci naquele mesmo ano, pessoas que eu criei uma amizade forte em pouquíssimo tempo. Essa é uma das coisas que eu acho problemáticas em mim: fazer amizades e me apegar muito rápidos às pessoas, a ponto de confiar nelas e contar coisas que não precisavam ser contadas. Não sei o porquê disso, sou assim. Dezembro: aniversário, natal, férias, ano novo. Por outro lado, o mês mais esperado do ano, pelo menos para mim. Por outro, é um dos piores. Acaba o ano, muitos de seus amigos vão seguir seus caminhos, ficar longe de você. Digamos que eu odeie isso, pois como eu já disse, crio amizades fortes muito fortes muito rápido e não gosto de perdê-las por esse mesmo caminho. É um incômodo no mês mais esperado.

sábado, 3 de dezembro de 2011

Faria falta

Saber viver com as coisas mais simples. Saber que aquele Sol que aparece numa simples manhã, brilha mais do que brilhou ontem. Perceber que, quando esse Sol está ausente, a contraditória Lua surge do outro lado, no meio de tanta escuridão, para te guiar e te alucinar com seu jeito meigo, perto das estrelas. Todos nós deveríamos acordar na inspiração do Sol, fazer todas as coisas malucas que nos fazem bem, nos fazer sorrir e, adormecer com os olhos na Lua, que te deixará consciente que amanhã é um novo dia e que você fará TUDO de novo :)

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Até o impossível continuar sendo impossível

Impossível. Pode até não ser mas, pelo menos pra mim, continua sendo impossível parar de pensar. Apesar de eu pensar muito em querer parar de pensar. Não por um único motivo, mas por muitos outros eu acabo presa nos meus pensamentos, o que me faz pensar mais ainda em querer fugir deles. Continua sendo impossível parar de pensar. Esse post está meio confuso, o assunto é confuso. Eu estou confusa, acho que é isso. Eu faço qualquer coisa e parece que não fiz nada; eu recebo dos outros o que eu não preciso; mesmo não fazendo nada, eu fico cansada, fico refletindo, a ponto de demorar para dormir. Tudo isso acontecendo enquanto, quem vê de fora, não me entende. Parece que nunca vão me entender, que nunca vão ao menos perguntar o que passa pela minha cabeça. Não que eu saiba dizer...mas ao menos tentar. Quando eu olho nos olhos de alguém eu tento imaginar as tantas coisas as quais aquela pessoa já viveu, as lágrimas que saíram daqueles simples olhos. Eu sei que na minha vida não tem nada de se impressionar, mas será que alguém ao menos se importa? Será que as pessoas sabem que, mesmo sorrindo, eu posso estar triste? Por mais que eu queira esquecer coisas ruins, não consigo. Parece que preciso de anticorpos contra esse vírus da memória. Infelizmente, nossa cabeça é ligada com o coração. Se eu pensar, vou sentir. Se eu sentir, vou pensar. E por tudo que já refleti nos meus dezesseis (quase dezessete) anos é que, se essa ligação não existisse, seria uma desgraça. Sendo assim, vou continuar perdidamente enlouquecida no meio dos meus pensamentos até...até o mundo acabar.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Open Your Eyes


Universo, planeta, países, estados, cidades, pessoas. Seis bilhões de pessoas em um único planeta. Em um mundo onde é impossível não se ter diferenças. Pare agora e comece a imaginar rostos de pessoas as quais você não conhece, de outros países, de culturas diferentes, com cabelos diferentes, com olhos diferentes, com sorrisos diferentes. Pensar que todos nós somos um só grupo por um mundo melhor e, que do mesmo jeito que há pessoas maravilhosas perto de você, há pessoas maravilhosas do outro lado do mundo. É incrível pensar que, enquanto acordamos, tem gente dormindo; enquanto estamos triste, tem gente feliz; enquanto uns olham o pôr do sol, tem gente olhando para o nascer do sol. Tem gente pra caramba nesse mundo! Por mais simples e espontâneo que seja esse post, ele está me fazendo pensar nisso enquanto escrevo e, sinceramente, eu estou impressionada com tudo isso. É mais uma das coisas que não paramos para pensar, somente empurramos com as coisas óbvias da vida.

Como muitas pessoas, eu sou mais uma no mundo que conversa com pessoas de outros lugares, sem ao menos conhecê-las. Se isso é anormal para você, tenho pena de você por estar perdendo uma coisa muito boa na vida. Exemplos são bons e eu gosto deles. Um desses meus amigos é um melhor amigo. Se você acha que é chatisse minha, por que não pára de ler? Comecei a conversar com ele e sinto que confio mais nele do que em muita gente que vive perto de mim. A sinceridade, os conselhos, as simples palavras dele me mostram o quanto legal ele é, o quanto importante ele se tornou para mim.

Reconhecer as diferenças, reconhecer quem vale à pena.

domingo, 15 de maio de 2011

Que trem é esse que não pára?


A partir do momento em que nascemos entramos em um trem, em um novo e polido trem. Ele começa a andar pelos trilhos devagar, começa a fazer barulhos, começa a mexer. Sua família está bem, mas cada um em seu trem. Esse aqui é o seu. Você que decide em qual trilho deve passar, ser responsável o bastante para tomar suas decisões. Nesse trem há algumas pessoas mas, no momento, você não se importa com o caminho que elas querem fazer, nem deve. Elas falam, opinam, jogam conversinhas conquistadoras em você. Apenas siga seu caminho, ok? Um fato: essa viajem vai ser longa, talvez uns anos, e o mais importante, sem paradas. Nesse trilho não há estações. Tudo o que você precisa está ali, no seu trem, e tudo o que ele precisa é de você. De tempos em tempos, você sai do primeiro vagão do seu trem (sala de controle), mas você tem um tempo de volta para que não perca o controle, sem descuidos! Segue em diante e vai para o vagão do meio, viajar nas suas idéias.Lembre-se que há pessoas ali. Seus familiares estão ali como base; há aqueles que querem seguir junto, apoiá-lo sempre que possível; há também aqueles que fingem muito bem querer o seu bem e, depois, tomam atitudes semelhantes àquelas de alguém que não deveria estar ocupando espaço em seu vagão. Por último, há uma pessoa em especial nesse vagão, alguém com que você quer passar pelo menos alguns dias da sua viajem com ela. Começa um jogo que meche com sua cabeça, com seus sentimentos. Amor, paixão, raiva, alegria, tristeza, tristeza, esperança, felicidade, tristeza. O tempo vai passando, o seu trem já não é mais o mesmo. Ele vai se desgastando e não há nada que possa consertar o desgaste, são coisas do tempo. Por medo e outro, você pensa e se afasta da pessoa a qual passara dias ao teu lado. Isso não é algo fácil, nada é e você tem que entender isso. Senta em outros bancos procurando por conselhos e buscando a fuga. Começa a contagem regressiva e você tem que voltar à cabine de comando, antes que perca o controle. O percurso até a cabine se distancia cada vez mais. Seu emocional já não está mil maravilhas, não é? Começa a se perguntar “onde eu páro esse trem? Alguém páre imediatamente que eu vou descer!”. A proximidade com a cabine começa a diminuir e você nota que não há como controlar a velocidade daquele trem, muito menos pará-lo. Sua família, a qual está nos primeiros assentos, te direciona e te acalma. Você entra na cabine e se recupera. Fica um tempo relativamente bom lá, se afasta das pessoas e pensa. Apenas reflete sobre tudo aquilo que não tem soluções certas como parar. Idas e vindas para os outros vagões, pessoas diferentes. As lembraças serão sempre as melhores, certo? O tempo continua passando e você percebe que ele é a solução de tudo ali. A ferrugem é natural, não durará para sempre. Nada dura pra sempre. Nós tentamos de tudo para que ela seja conservada, mas ela não vai sumir. A viagem vai chegando no fim. As pessoas começam a desaparecer do seu vagão e você começa a sentir que também irá desaparecer; é a parada final. Ah, outro fato: demora, mas uma hora esse trem há de parar , entenda. Não tem mais forças dentro de você que possam controlar essa viajem. Agora, é só apertar o botão de desligar.



Provocação da vida

Esqueça o mundo pelo menos por um tempo. Simplesmente pare e pense em tudo. Pensamentos são intermináveis e fazem você enlouquecer, porém não mais que pessoas, as quais mesmo não querendo e nem se importando, acabam mudando o lugar de uma simples pedrinha que, com certeza, vai mudar seu caminho. Elas aparecem na sua vida como alguém que, simplesmente, esbarra em você na calçada. Te fazem feliz, te fazem triste, te fazem rir, te fazem com raiva, te fazem chorar de alegria, te fazem enlouquecer. Mudar isso? NUNCA. A vida não teria graça sem essa coisa que vai e volta, sem essa provocação: sentimento.Tem hora que não se dá para suportar. Ou melhor, você suporta não querendo sequer sentir aquilo. É ruim, incomoda. Sem qualquer solução, começamos a correr atrás de alguém que você considera amigo(a), mas há vezes que caímos na tentação do olhar de alguém que não merece sequer um minuto de seu precioso tempo. Suponhamos que você encontre esse amigo(a), um ser que honre seu apelido. Por mais que você tente falar o que está sentindo, é impossível. Muitas vezes nem você sabe ao certo, só tenta amenizar, resumir algo em troca de poucas palavras as quais, podem ou não, ajudar. A pressão pode aumentar de hora para outra e recaídas aparecerão, de fato. Derramar algumas poucas lágrimas, não é símbolo de fraqueza. Pelo contrário, é só mais uma prova de que você é forte, de que você tem algo a mais dentro do que, em outros, não é encontrado. É a certeza de que você dá valor às coisas, à você. Você respeita e se respeita. Se alguém de fora não conhece a palavra respeito, deixe-a. Ignore. Viva sua vida e não perca a dignidade de ser quem você é. Há muita coisa nesse mundo, num simples ser humano, que é difícil lidar, conviver. Acho que nunca ninguém entenderá a maluquice que é viver. Digo, é algo inexplicável.

O tempo faz a gente superar

Sentimento é uma coisa instável. Bem instável. Os sentimentos dos outros, muitas vezes, interfere nos meus. As pessoas bipolares cooperam bastante com as mudanças dos meus. Esse fim de semana eu fui viajar com uma amiga, distrair. Não preciso nem falar o quanto foi bom. Hora ou outra, aliás, várias ‘horas ou outras’ eu caía na tentação de ficar quieta, pra baixo, mas a parceira erguia minha cabeça e bola pra frente! Percebi que o medo de hoje, pode ser o sorriso de amanhã; a lágrima triste que rolou ontem, pode ser uma boa diante seus amigos. Fato: O tempo faz a gente superar. Hoje, estou super feliz. Saí com meus amigos, dei muita risada. Se um dia isso for ruim, eu mudo de planeta. E amanhã? será que vou estar irritada com o mundo ou eu vou estar rindo até pra formiga? Por que eu não posso, simplesmente, adivinhar o que eu vou sentir pra me preparar? Seria bom, porém, sem graça. A graça tá em cair e levantar em cada momento inesperado. Essa vida ensina muita coisa, fato. Se a gente não acompanhar, a resistência baixa de forma que você sofra mais e mais. ah, eu pensava em um post mil vezes melhor, mas meu sentimento interferiu na minha preguiça.

não processei a informação

Tem dias que acordo animada, pulando e pensando que o dia vai ser bom. Não, esquece. São raros esses dias. Quando eu acordo com sono, o dia parece ser até mais engraçado. Eu começo a ficar idiota, fazer coisas engraçadas a fim de ver alguem rindo. Posso parecer a mais estúpida, mas se tenho companhia ali e ela está sorrindo, bola frente! E quando eu fico com sono o dia inteiro e chega de noite, ele some? simplesmente, some. Acabada e louca para dormir, porém sem sono. Hoje é um exemplo bom. Fiquei com sono o dia inteiro e, agora, por mais cansada que eu esteja, eu estou escrevendo aqui. Meu olho está fechando e eu aqui. Amanhã eu tenho prova de matemática e eu aqui. Sou boba ou quero um real? Acho que sou feliz. né? Que seja, sua opinião não importa, esse galho ainda é só meu :) muahaha. Acho que o sono ta vontando e a idiotice também. Vou pegar meu macaquinho de pelúcia e dormir super agarradinha nele :) Não que isso seja útil neste post, mas você também não é útil. beijos :)