Páginas

sábado, 13 de outubro de 2012

Proposta de redação: Amizade

Falar sobre amizade parece algo comum demais, pelo menos para mim. Realmente, não tem graça falar sobre isso, assunto comum e óbvio. Pessoas não sobrevivem sozinhas pelo único fato de não conseguir fazer nada sem ter uma base afinal, o que é certo e o que é errado? Se não tiver alguém para colocar ou tirar seus limites, você não faz nada. Pode até fazer, não estou tirando sua capacidade de tomar decisões e sim, mostrando que, primeiro, alguém tem que te mostrar como se faz isso.
O primeiro contado social que temos é com a família e é exatamente essas pessoas que vão dizer o certo e o errado, a cultura do ambiente o qual você fará parte e quem é você. A questão é que o tempo passa e, por mais óbvia que essa frase seja, assim como esse assunto, sabemos que é inevitavelmente necessário que nos adaptemos a isso. Sua existência torna-se meramente desconsiderada pela sociedade até você interagir socialmente com ela e, quando menos espera, está se comunicando. Comunicação gera a tal da amizade que todos falam, mas tenha cuidado. O dançar excessivo em relação a essa comunicação faz com que pessoas se tornem desnecessárias e interesseiras, o que, mesmo podendo prejudicar, faz você crescer e amadurecer perante os desafios da vida, perante os outros. A questão principal de toda essa relação com o outro é a mutualidade de se abrir,de desabafar, de contar seus problemas, seus gostos, sua vida. O ser humano necessita disso, necessita que alguém esteja ao seu lado para conversar, opinar e viver momentos juntos. Viver sozinho não tem graça e não é preciso passar por isso para saber que é algo desesperador. Queremos e precisamos de pessoas ao nosso redor nos fazendo rir, nos fazendo pensar, nos mostrando o bom da vida e compartilhando isso com mais e mais pessoas. De que seria o mundo se não a interação social? Nada. Quer dizer, pode-se considerar um planeta mudo de sete bilhões de habitantes malucos que quebram tudo e possuem um objetivo único: se matar. Deixarei você escolher, agora que sabemos que você pode fazer isso. A segurança que o amigo te passa é a mesma necessária para guardá-lo debaixo de sete chaves, assim como na “Canção da América” de Milton Nascimento, a qual concordo intensamente. Se for necessário, inevitável e sem validade, guarde-o da forma mais intensa existente, pois o amigo verdadeiro é aquele que, mesmo ausente, estará dentro da sua mente, dentro do seu coração, dentro da sua vida.

domingo, 7 de outubro de 2012

Complicação insubstituível

Insubstituível, isso não existe. Por mais duro que seja dizer isso, ouvir isso, é a mais pura verdade. É inevitável, você substitui coisas, gostos, ideias, amigos, pessoas, pessoas... Enquanto está vivendo algo, você pensa em nunca abandonar, você deixa ser dominado por um órgão oco que tem como função bombear um líquido que chamam de sangue de forma que isso faça você viver. Complexo, não é? Como assim você muda sua forma de pensar, algo que vem de impulsos nervosos, através de algo "oco" que faz esse sangue circular? O racional se torna, se torna, se torna o que? Por um momento, a decisão está tomada e você tem algo certo na mente, algo que pensou e disse que não vai acontecer e...aconteceu. Essa semana me disseram que eu penso muito. Pensar muito era a última coisa que eu imaginei que seria um problema. O problema é que a maioria não pensa então você acaba se tornando alguém diferente, será que é isso? Não digo que as pessoas são ignorantes porque todos nós somos, mas digo no sentido de que pessoas agem por impulso, sem medo, sem se colocar no lugar do outro e eu realmente me importo com a opinião do outro. A explicação da vez foi, que se eu pensar muito, não vivo. Realmente, se você for reparar nas calorias de tudo, você não come chocolate, não bebe coca-cola, ou seja, sua vida será uma merda e você vai morrer do mesmo jeito. Afinal, nascemos pensando na morte e isso é horrível. É, talvez eu pense muito. Os cinco sentidos que nosso corpo tem existem por dois motivos simples: te dar prazer e te confundir. Se pensarmos bem, a confusão também é prazerosa. Sim, essa sou eu pensando demais novamente. Quando preciso de chocolate, eu como. Quando eu preciso de você, eu escondo. Agora me expliquem o porquê disso. Essa é a cabeça cancelando os sentidos sem eu pedir. Está aí a arte de pensar e não fazer nada por impulso, afinal você não sabe de nada, não conhece o chão à sua frente. E se for um buraco? E se quebrar o gelo bem ali? E se..? E se..  Muitas possibilidades precisam aparecer para fazer você pensar, mas mesmo assim tem aqueles que não querem pensar nisso e acabam correndo um risco gigante. Vamos com calma, são pessoas aqui, pessoas que se machucam, pessoas que possuem medos, pessoas que também pensam. Escolhas são escolhas, cada um tem a sua, mas se os sentidos se juntarem e baterem lá naquele "órgão oco", não posso dar certeza se fará eco ou não. Esse eco é complicado, está complicado...

domingo, 1 de julho de 2012

Ponto de interrogação

Quantas vezes comecei a escrever e apaguei com medo, com receio e sem motivos. Queria poder te dizer as várias vezes que cliquei em seu nome esperando que saísse alguma palavra espontânea, sem ter que pensar muito, sem ter que ficar esperando loucamente sua resposta. Sim, algumas poucas vezes eu conseguia e são dessas que me arrependo. Você diz coisas que eu, por mais tola que seja, sei que são só palavras e por trás disso só há um grande e vazio espaço. Por que, nessas poucas e simples palavras suas, eu não consigo acreditar e me cerco ainda mais com as minhas perguntas desnecessárias? Eu me cerco com aquilo que acho que passa por sua cabeça, mas será que passa? Será que o que você diz realmente é verdade e que você sente minha falta, que quer me ver? Não, sei que não. Se o pingo de esperança que ainda resta em mim respondesse, diria que eu poderia continuar correndo atrás, que eu poderia e deveria mandar uma sms pra você perguntando se você está por perto. Depois de muita provocação desse pingo, eu mando e me arrependo mais uma vez, pois você responde coisas que amolecem meu coração e enlouquecem minha cabeça. Não dá para pensar nessas horas, a razão some e eu acredito. Certamente o problema é esse, eu acredito em tudo. Preciso de um mundo onde não há enganações e as pessoas são limitadas a falar a verdade, exceto em momentos em que a mentira seja por causas boas. Mas falo do momento em que se olha nos olhos da pessoa e diz exatamente o que você sente. Queria poder te ligar agora e dizer tudo, sem medo do depois, sem medo do que falaria de mim, sem medo de você, mas acontece que nem dizer o que eu sinto eu consigo. Aliás, eu sinto tudo isso mesmo? Não tenho motivos, não tenho argumentos para provar que sinto algo por você e sei que tudo isso que estou dizendo é loucura. Os pouquíssimos momentos que passei ao seu lado faz meus olhos brilharem quando te encontro, faz eu ficar pensando em você, faz minhas pernas tremerem, faz eu ficar assim. A cada mensagem que te mando é uma promessa nova de nunca fazer isso novamente. Parece que quanto menos você se esforça pra mudar algo, mais preciso de você, mais quero você por perto. Não! Não quero e não preciso. Preciso? Não sei de mais nada. Quem sabe mais pra frente, quem sabe as coisas mudem, quem sabe..(esse pingo só me provoca). Enquanto isso, vou levando toda essa bagunça. Agora sim, prometo por escrito que vou tentar esquecer, prometo não te procurar, prometo tentar...

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Quem se importa...

Assim como eu, sei que tem muita gente por aí que demonstra o que sente através de palavras. Percebi que quando eu falo com alguém sobre o que há dentro de mim, acabam não entendendo, distorcem tudo o que eu disse e começam a me olhar com outros olhos. É exatamente isso que me fez tentar de outra maneira, dessa maneira. As pessoas falam, falam, falam. Mas será que acabam dizendo o que realmente planejaram dizer? A dificuldade acaba se tornando, muitas vezes, em uma pequena fama de que você não tem sentimentos, de que você não se importa. Confesso que erro muito em relação a isso. Costumo pensar coisas das pessoas sem ao menos deixá-las tentar se expressar melhor, é natural, porém há muitas delas que nem se esforçam para isso. Elas falam coisas pequenas como se estivessem fazendo o mínimo, nada que diferencie elas do resto do mundo, e acabam persistindo na ideia de que ninguém quer enxergá-las. Por que? Por que não tentar demonstrar de outras maneiras? Mesmo que seja difícil dizer, tente. Demonstre de outras formas que você não está sendo uma pessoa falsa, que você realmente se importa e não quer somente usar o outro. Talvez fizeram muito isso com você e o 'fazer com os outros' seja sua fuga, mas não faça. Entretanto, há aqueles que falam muito querendo parecer verdadeiro. Esses me enjoam ainda mais. Não demonstrar tanto eu até entendo que pode ser complicado, difícil, mas fingir demonstrar demais se torna ridículo. Identifico-os como aqueles que não conseguem olhar nos olhos da pessoa ao dizer qualquer coisa. Falam por falar, fazer por fazer. Quem se importa? É, quem se importa...